quinta-feira, 22 de julho de 2010

ENTREVISTA EXCLUSIVA com LARA GAY

Atriz, poetisa, compositora e dubladora, esses são quatro dos muitos predicados que se encaixam perfeitamente na descrição dessa mulher que parece não ter sangue correndo em suas veias e sim a arte, sedenta e esperando apenas o momento certo para ganhar forma, vir à tona. A atriz que começou a estudar teatro aos 13 anos de idade, já escrevia quando menina ainda na escola. Tem em seu currículo diversas peças, quatro curtas-metragens e três clipes musicais (sendo o mais recente, A menina que Ama da banda Madame Zero), autora do livro Ela, a outra e eu na companhia de duas amigas, também atrizes (Juliana Lohmann e Michelly Barros). Atualmente mantém o blog “Era azul e voava” e sua coluna na Revista Savoldi. Nesta pequena entrevista de 5 perguntas você poderá conhecer melhor o universo azul dessa mulher encantadora:



5 Perguntas para Lara Gay:

  1. Que trabalhos, que já fez como atriz, você destacaria?
Eu destaco uma peça que fiz enquanto eu ainda cursava a CAL (casa das artes de laranjeiras) chamada “Nossa Senhora das Flores”, do Jean Genet, dirigida pela Ticiana Studart, porque eu interpretava um travesti que vivia no submundo. Na época eu era muito menina, e fazer um personagem tão tenso foi um grande desafio pra mim; ali eu lutei comigo mesma, precisei perder meus pudores. E outra peça muito importante foi “Calúnia”, da Lilian Helman, dirigida pelo Eduardo Wotzik, minha personagem era pequena, mas eu contracenava com duas divas do teatro que são a Camila Amado e a Suzana Faini, só de ensaiar todo dia com elas já serviu como uma grande escola pra mim.

  1. Uma curiosidade que sempre tive em relação à dublagem... Todos sabem que para ser um “bom” dublador, tem que ser um “bom” ator. Isso é fato! Mas se você for dublar alguém que é um péssimo ator, você baixa o seu nível de atuação?
Não, pelo contrário, você precisa “salvar” a atuação. (risos) É bem difícil isso, a gente tenta através da dublagem melhorar a cena.

  1. Quais seus projetos para o futuro? Algum direcionado para o cinema?
Tenho muitos projetos. Gostaria de fazer novela, estou com planos pro segundo livro, focada na peça “Um ensaio aberto” e com planos pra uma próxima baseada em um filme. Mas não tenho pressa pra nada. Acredito que tudo vem em seu tempo, o importante é não ficar parada. Um grande sonho meu é fazer cinema, mas isso não depende só de mim. ;)

  1. Acha importante essas novas mídias, como blogs e twitters, por exemplo, para encurtar a distância entre fãs e ídolos?
Acho. Claro é necessário ter uma privacidade, mas acho que cada um coloca o limite que quer. O meu blog foi um grande passo pra mim, muita gente passou a me conhecer e conhecer minha escrita sem querer, clicando em um link, acho isso muito bacana. O twitter é ótimo pra divulgar trabalhos e pra receber o carinho das pessoas. Pelo menos pra mim, tem sido de muita valia.

  1. E a poesia? Que espaço ela ocupa em sua vida? Tem alguma fascinação pela cor azul?

Então, a poesia preenche a minha vida. É ela que me faz entender o que se passa comigo, ela me dá respostas pra algumas dúvidas e confirma algumas certezas. Eu escrevo pra desabafar, pra debater questões comigo mesma, pra expressar o que vejo em uma situação qualquer. Muitas vezes alguma coisa me incomoda muito e começo a escrever, quando coloco o ponto final do texto, o nó da garganta já se foi. As palavras são meu refúgio.
O azul me acalma. Eu sou hiperativa, sou muito ansiosa, intensa, leonina exagerada... eu encontro paz na cor azul. É minha luz. 


Links Importantes:


Editora Iventura” (Para compra do livro)
Clips:
Entrevista por Armando Sá (@armandoalguma)
Texto de Apresentação por Joyci Dias (@JoyciDias)






Postagens populares

Pesquisar neste blog